English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Troca de óleo do cambio e diferenciais do Niva



Para quem não se importa ou até gosta de sujar as mãos em pequenas manutenções preventivas no jipe, trocar o óleo das caixas e diferenciais é um trabalho relativamente fácil e que requer poucas ferramentas. Na verdade, analisando apenas pela ótica econômica este tipo de trabalho com certeza não compensa, visto que a maioria dos postos de troca de óleo não cobram, ou pouco cobram pelo serviço, mas deixando questão econômica de lado, para alguns Niveiros mais sistemáticos, aos quais me incluo, o ato de trocar o óleo na garagem de casa pode proporcionar alguns benefícios ou vantagens, tais como:

Constatar a presença ou o excesso de água no óleo e evidenciar a necessidade de melhorar as vedações ou até mesmo pensar em instalar snorkel nas caixas e diferenciais. Muitos frentistas dos postos de troca de óleo simplesmente esgotam o óleo velho e colocam o novo sem analisar ou questionar nada;

Da mesma forma, verificar se no imã do bujão de escoamento tem excesso de limalha de ferro o que pode ser um indicio de desgaste das engrenagens e talvez mereça atenção especial;

Ter a certeza que o volume de óleo colocado foi aquele recomendado pelo manual do fabricante. Óleo a mais pode danificar os retentores e a menos comprometer a lubrificação;

O ato de entrar ou se deitar de baixo do jipe nos abre a possibilidade de inspecionar outros componentes, fazer reapertos de porcas e parafusos, etc., aliás, tome cuidado com o excesso de aperto visto que as carcaças das caixas e diferenciais são construídas com uma liga de metal relativamente mole e as roscas podem espanar facilmente;

Aproveitar a ocasião e corrigir possíveis melejamentos de óleo pela junta da tampa do cárter da caixa de câmbio. Se o reaperto de as porcas não resolver, trocar a junta da tampa e avaliar a condição dos prisioneiros que prendem a tampa, que podem estar com a rosca comprometida, nesse caso, troque-os por parafusos sextavados em inox de 6mm. Não deixe de usar arruelas lisa e de pressão, uma opção quanto as arruelas de pressão é o modelo usado originalmente na tampa do cárter do motor do Fiat 147.

Mesmo não se tratando de um trabalho relacionado com nossa área de atuação profissional ou especialidade, o simples fato de se fazer algo bem feito com as próprias mãos pode nos proporcionar a boa sensação da satisfação. Em inglês este tipo de atividade é denominado DIY (Do it your self), ou, faça isso você mesmo. Esse tipo de pratica é comum em muitos países para trabalhos relacionados com jardinagem, pintura, marcenaria, mecânica, etc.


Ferramentas necessárias:


As ferramentas descritas a seguir foram usadas por mim em todas as caixas e diferenciais, porem devido a possibilidade de adaptações de bujões diferentes dos originais, talvez a medida das ferramentas não correspondam com as citadas.  

Chave Allen 12 e 17mm 

 Cano de extensão para força

Chave Combinada Sextavada de 12 e 17 mm


           
Bacia para coleta do óleo velho

   
Funil com mangueira adaptada

  
 Seringa de transferência de óleo

        

O funil/mangueira é uma solução caseira bem simples para abastecimento que tem a desvantagem de escoar o óleo bem lentamente o que torna o processo moroso e também requer mais atenção para evitar que a mangueira escape e ocorra derramamento de óleo. Para melhorar o escoamento a mangueira deve ter o diâmetro o maior  possível e não ser demasiadamente longa,  apenas o suficiente  para criar altura capaz de escoar o óleo.

Já a Seringa de transferência de óleo é uma ferramenta de baixo custo, em torno de R$ 50,00 (dezembro/17) e torna o processo bem mais rápido, limpo e preciso.

Um detalhe pertinente antes de drenar o óleo é ter a certeza que o bujão por onde será feito o abastecimento não está espanado e difícil de sair. Primeiro tenha certeza que é possível abastecer antes de esgotar o óleo das caixas ou diferenciais.


Caixa de Cambio


As fotos a seguir mostram as posições dos bujões de abastecimento (entrada) e inspeção da caixa de câmbio. Vale mencionar que o bujão de abastecimento é de difícil acesso devido estar localizado próximo da lataria do túnel da caixa, o que torna o trabalho muito complicado de se realizar.


Foto: Leonardo Cardoso



Tipo de óleo = 90 GL - 4
Volume especificado pela Lada= 1,35 litros 

Over fill = 1,850 litros

Over Fill - Não é consenso, mas alguns Niveiros e mecânicos acrescentam 500ml a mais de óleo o que totaliza 1,850 litros, alegando melhorar a lubrificação das engrenagens da quinta marcha. Reza a lenda que a quinta marcha foi uma adaptação feita pela Lada afim de adequar o Niva para alguns mercados, mas o fato concreto é que a quinta marcha é o calcanhar de Aquiles da caixa de cambio, dai surgiu a ideia do Over Fill. Particularmente faço Over Fill em meu Niva, mas creio que o mais importante para preservar a quinta marcha do carro  é nunca engrena-la a baixas velocidades, o ideal seria sempre acima de 90km/h. 


Ferramentas:

Bujão de abastecimento: Chave Allen 17mm. 

Bujão de Inspeção: Chave Sextavada 17mm 

Bujão de Drenagem do Carter:  Chave Allen 12mm


Procedimento:

Conforme já mencionado, como o bujão de abastecimento da caixa de câmbio é de difícil acesso, a opção mais fácil para completar ou trocar o óleo é pelo bujão de inspeção da caixa. 



Com o carro num piso nivelado, colocar óleo até que ocorra derramamento pelo orifício de inspeção, o que teoricamente garante o volume de óleo próximo a 1,35 litros especificado para a caixa de câmbio.

Uma segunda opção, ainda usando o bujão de inspeção é manobrar o carro e deixar as rodas do lado do motorista sobre uma guia de calçada, por exemplo, desnivelando o carro de maneira a dosar o óleo com maior precisão, alem disso, como nessa condição cabe mais óleo na caixa é possível fazer Over Fill, lembrando que não devemos ultrapassar 1.850 litros sob pena de danificar os retentores e vazar óleo.



Foto: Blog Nivaforever


Uma terceira opção, seja para Over Fill ou não é soltar a tampa que prende a manopla do cambio (trambulador), foto abaixo, e realizar o abastecimento de dentro do carro e por cima da caixa de câmbio. Esta opção é interessante mas requer muita atenção no momento de soltar a tampa da manopla do câmbio. Iniciar o processo colocando a alavanca de cambio em ponto morto. Retirar o trambulador do cambio soltando somente as porcas externas , NUNCA AS INTERNAS, sob risco de algumas peças se soltarem e caírem dentro da caixa, obrigando a retirada da mesma para as correções, tenha muito cuidado. Uma das três porcas que prendem o trambulador é de difícil acesso devido a lataria do local atrapalhar o trabalho. Por exemplo, eu só consegui apos entortar a chave de boca num angulo adequado para enfim solta-la. Para desencaixar e retirar o trambulador é necessário um pouco de paciência devido as pontas dos parafusos internos tocarem a lataria dificultando a retirada da peça. Atente-se quanto a presença de arruelas que podem ser de difícil visualização e infortunadamente caírem dentro da caixa no momento da retirada do trambulador, toda atenção é pouco. 

Para reinstalar o trambulador avalie primeiramente a necessidade de trocar a junta de papelão. Opcionalmente é possível cortar o excesso de rosca dos parafusos internos para que esses não atrapalhem no processo de montagem e em futuras desmontagens. Se optar por corta-los é conveniente, por segurança, usar um adesivo trava rosca neles.


Foto: Blog Nivaforever


Foto: Blog Nivaforever








O Vídeo a seguir mostra o procedimento completo para fazer Over Fill pelo trambulador do cambio do Niva.




Caixa de transferência (Redução)


Tipo de óleo = Óleo 90 GL-5
Volume = 0,75 litros

Ferramentas:

Bujão de abastecimento/Inspeção de Óleo: Chave Allen 12mm
Bujão de Drenagem do Carter: Chave Allen 12mm




Procedimento:

Com o carro nivelado, usar o bujão de inspeção para realizar o abastecimento até que ocorra vazamento de óleo pelo orifício, o que garante o volume especificado para a caixa.








Diferencial dianteiro


Tipo de óleo =  90 GL-5
Volume = 0,9 litros

Ferramentas:

Bujão de abastecimento/Inspeção de Óleo:Chave Sextavada 12mm 
Bujão de Drenagem do Carter: Chave Allen 12mm


Procedimento:

Com o carro nivelado, usar o bujão de inspeção para realizar o abastecimento até que ocorra vazamento de óleo pelo orifício, o que garante o volume especificado para o diferencial.






Diferencial traseiro


Tipo de óleo = 90 GL-5
Volume = 1,3 litros

Ferramentas:

Bujão de abastecimento e Inspeção: Chave Sextavada 12mm
Bujão de Drenagem: Chave Allen 12mm

Procedimento:

Com o carro nivelado, usar o bujão de inspeção para realizar o abastecimento até que ocorra vazamento de óleo por esse orifício, o que garante o volume especificado para o diferencial.





Agradecimentos



Ao blog Nivaforever e Leonardo Cardoso do LadaFans pelas fotos disponibilizadas na Net as quais reaproveitei para elucidar as explicações.




Ajuste da folga dos rolamentos do cubo das rodas


Os rolamentos do cubo das rodas dianteiras do Niva são também fabricados pela SKF e, portanto facilmente encontrados no Brasil. Por segurança procure compra-los em uma revenda credenciada SKF, saiba que rolamentos podem ser falsificados ou até recondicionados e vendidos como novos.
No total são quatro rolamentos, dois em cada cubo das rodas dianteiras. O modelo de todos é o SKF 32008 X/Q.





É indispensável quando se trocar os rolamentos também substituir seus retentores, porém até onde sei, devem ser os originais, aliás pelo preço e durabilidade não vale o esforço de tentar nacionalizar este componente.

Uma etapa importante e muitas vezes negligenciada por mecânicos é o ajuste da folga dos rolamentos. O ajuste correto vai garantir vida longa aos rolamentos e a segurança que não irão travar ou quebrar devido ao excesso de aperto ou de folga.







Ajuste da Folga  Com  Torquímentro.


1. Montar os rolamentos no cubo da roda com graxa;

2. Apertar a porca da ponta do eixo da homocinética até o fim para empurrar totalmente os rolamentos nos compartimentos. Usar uma porca nova.

3. Soltar um pouco a porca e em seguida aplicar o torque de 2,0kgf/m (20N/m);

4. Colocar o pneu com no mínimo 3 porcas e girar a roda quatro vezes para frente e para trás, de forma a assentar bem os rolamentos;

5. Afrouxar a porca em torno de 20 a 25 graus. Use um giz para marcar o pneu e facilitar o correto posicionamento;

6. Com o torquímetro, aplicar 0,7 kgf/m (7,0 N/m);

7. Conferir se os rolamentos não estão presos ou soltos demais, para isso girar a roda em ambos sentidos, dar umas batidinhas no pneu com a mão, sentir o comportamento. Deve rodar livre, mas, sem folga. Tenha certeza que as pinças de freio não estão pegando no disco para não interferir na sensibilidade do teste;

8. Para encerrar, remanchar a porca na ranhura do eixo e realizar o teste pratico com o carro;

O vídeo a seguir mostra exatamente o procedimento descrito acima.







Ajuste da Folga Sem o Torquímentro


1. Montar os rolamentos no cubo da roda com graxa;

2. Apertar a porca da ponta do eixo da homocinética até o fim para empurrar totalmente os rolamentos nos compartimentos. Usar uma porca nova, nuca reaproveite essa porca;

3. Soltar somente um pouco a porca;

4. Colocar o pneu com no mínimo 3 porcas e girar a roda quatro vezes para frente e para trás, de forma a assentar bem os rolamentos;

5. Afrouxar a porca mais um pouco e conferir se os rolamentos não estão presos ou soltos demais, para isso girar a roda em ambos sentidos, dar umas batidinhas no pneu com a mão, sentir o comportamento da falga. Vá ajustando até rodar livre e sem folga. Tenha certeza que as pinças de freio não estão pegando no disco para não interferir na sensibilidade do ajuste, aliás o ideal é retirar as pinças de freio para ajustar a folga com maior precisão;

6. Uma vez ajustado, remonte as pinças de freio, caso as tenha retirado e com as rodas montadas, teste se ambas as rodas estão rodando livres, sem a interferências das pinças. 

7. Para encerrar, retirar novamente as rodas e remanchar as porcas dos cubos nas duas ranhuras do eixo. Nunca reutilize essas porcas.

8. Realizar o teste prático dirigindo o carro e sentido o comportamento. Após um percurso use o tato e sinta a temperatura dos cubos das rodas que deverão estar ligeiramente mornos em ambas as rodas. Caso a temperatura esteja muito elevada pode indicar que a porca do cubo ficou muito apertada e os rolamentos sem a folga mínima necessária, porém, tenha certeza que a temperatura elevada não é devida as frenagens, que obviamente geram calor naquela região.